Movimento sindical oposicionista discutiu nova alternativa de representação classista

Por Ocleciano Marçal

O Movimento sindical das bases oposicionista do ramo dos municipais no Ceará realizou na manhã de quarta-feira (11), às 09h, em Sobral, uma Plenária Sindical com a participação vários sindicatos para discuti a construção de uma nova alternativa de representação classista.

O encontro aconteceu no salão de reunião do Sindicato dos Servidores Municipais de Sobral (Sindsems), e teve a coordenação de Gilvan Azevedo (Sobral), José Airton (Ibiapina), OzielCabral (Santana do Acaraú) Emanuela Mesquita (Paramoti).

A Plenária foi motivada devido à realização do VIII Congresso da Federação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal do Estado do Ceará (Fetamce), onde os sindicatos opositores tiveram seus nomes fora da relação de aptos ao congresso. Em contrapartida os movimentos desejam desfiliar-se da FETAMCE/CUT e construir uma nova alternativa sindical.

Com esse movimento, a atual direção sindical da FETAMCE/CUT, que faz um jogo de dança de cadeiras nos últimos 20 anos, põe em ameaça de divisão a entidadequando retalia e isola seus opositores.

Segundo o presidente do Sindicato de Ibiapina (Sindsemibi), José Airton da Silva, “Vamos mostrar que juntos somos mais fortes e que as nossas bases merecem respeito e consideração para fortalecermos nossos sindicatos que são a razão maior da existência da FETAMCE”, afirmou o mesmo.

 

Os participantes discutiram e deliberaram temas relacionados à Autonomia e Liberdade Sindical; VIII Congresso da Fetamce; Aprovação de Carta Política; Respeito às Demandas das bases; Convocação de um Congresso paralelo para discutir a construção de uma nova federação e outros assuntos.

No centro da crise, a diretoria executiva da FETAMCE/CUT mostrou sinal claro de desespero político ao articular sua tropa oriunda de varias regionais da entidade para tentar abafar o movimento oposicionista reunidos na plenária.

 

Todavia, como diz o velho ditado popular “Deram com os burros n água”, uma vez que os sindicatos mobilizados reforçaram ainda mais a sua participação no movimento.

Com informações da assessoria de comunicação do Sindsems.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *